[Contexto] O que Aprendemos quando vamos morar fora

1047
SHARE

por Luciana Assunção

  • Aprendemos que usar banheiro pode ser algo mais complicado do se parece.

É algo idiota, mas ao mesmo tempo não é. Pra começar, em alguns países o interruptor é do lado de fora. Algo meio estranho, mas é só o começo. isso é para se evitar que água e eletricidade se misturem e causem alguma pane e, por isso, também não tem tomada alguma no banheiro (desculpe os meninos que usam barbeador eletrico). Então meninas, se forem se mudar para Europa (Inglaterra e Irlanda por exemplo), tratem de se acostumar a secar a cabeleira no quarto ou na sala.

E não para por aí, o chuveiro (quando é elétrico) também tem interruptor e também fica do lado de fora!?!?!?! Alguns tem uma cordinha que liga a energia ao chuveiro, nesses casos, essa cordinha fica no teto do banheiro. Caso o chuveiro não seja elétrico, sinto informar que vocês vão ter que ligar o gás e esperar a água esquentar. Lembram nos filmes e TV quando o pessoal reclama que alguém acabou com a água quente? Pois é, estão reclamando disso, e leva pelo menos 30 minutos para ter água quente para o próximo tomar.

 

  • Que meia-calça e ceroula são peças indispensáveis para sobrevivência.

Em Gilmore Girls tem uma cena em que Rory e Lorelai ficam espantadas quando a esposa de Chris aparece sem meia-calça. Para elas aquilo foi algo inimaginavel, e eu quando assisti fiquei sem entender, porque eu sempre saía de vestido e tinha essa peça como acessório de moda. Mas aí quando mudamos percebemos que isso que evita de congelarmos no meio da rua, porque mesmo em um dia de sol, a temperatura pode ser de 2 graus.

Meninos, não fiquem dando risadinha, não é só junto com vestidos que usamos não. As ceroulas parecem ser bem engraçadas, mas no inverno você agradecerá por usa-las debaixo daquela calça jeans.

 

  • Dê adeus ao sal e viva a pimenta

O sal é o grande inimigo da hipertensão, e por isso muitos países decidiram lutar conta esse vilão. Mas ao invés de reduzir, eles decidiram cortar. Isso mesmo, nem a batatinha frita se salvou dessa regra, não tem sal mesmo. Por outro lado, muitas já chegam do mercado cheias de…PIMENTA.

A primeira comida que comprei no mercado eu só dei três garfadas, e o resto joguei fora. Porquê? Estava tão apimentada que não consegui. Foi aí que descobri que no cantinho da embalagem tem o nível de “how hot” é a comida, e tinha até quatro pimentinhas.

Muita gente pode dar risada, mas as pimentas que usam na comida da europa são bem mais fortes que aquelas que temos no Brasil.

 

  • As marcas conhecidas também tem cor e saber diferente da que conhecemos no Brasil

Ninguém acredita, mas compre uma Fanta na Europa e uma no Brasil. A primeira será amarelada e a brasileira laranja. O gosto também tem um sabor um pouco diferente.

Achocolatado e outros produtos conhecidos também. Isso acontece porque alguns corantes e igredientes que utilizam no Brasil e outros lugares são proibidos na Europa, que os considera nocivos.

Muitos que moram fora e adoram um Toddy ou Nescau, por exemplo, vêem esse produto como um Tesouro tão valioso como a Mortadela.

 

 

  • Você vai sentir muita, mas muita falta de um pão com Mortadela.

E não, não é porque o sabor é diferente, é porque não tem mesmo. Non Ecsiste (como diria Padre Quevedo). Não perguntem porque, mas esse pobre continente não faz idéia do que está perdendo.

 

  • Se prepare para comer muita, mas muita…BATATA

A Batata é um legume da América do Sul, com uma facilidade gigante de se adapatar a qualquer ambiente e não exige muito do solo para crescer (por isso não precisa alternar a plantação com outros legumes). Durante a guerra e década da fome, muitos só tinham batata para comer durante muito, mas muito tempo (pense comer batata todo dia, durante todo ano, e só isso). Por isso esse se tornou o alimento número 1 nas principais receitas europeias. Deve ser dessa época de aperto que veio a frase: Ao vencedor, as batatas.