[Contexto] O amor que atravessa as fronteiras – Parte 1

583
SHARE

por Luciana Assunção

Muitas Famílias ao redor do mundo optaram por aumentar o número de membros da família e ajudar os países pobres que possuem um alto número de órfãos, às vezes devido à guerra, outros pela situação econômica.

Celebridades internacionais como Angelina Jolie trouxeram a adoção internacional para o centro das atenções anos atrás. Para algumas pessoas, esta é uma maneira de ter uma família e ajudar um órfão a ter amor e um futuro diferente.

Cecilia Rattini, 23, é uma dessas crianças que tiveram a oportunidade de fazer parte de uma família. Nascida em São Paulo, Cecilia foi adotada há 20 anos por um casal de meia-idade e levada para viver em San Marino com essa época.

Para fazer isso, a família de Rattini teve que passar por um longo processo que durou mais de três anos. Foram solicitados detalhes específicos sobre a criança.

“Meus pais disseram ao advogado que não tinham nenhum pedido físico. Só queriam alguém para amar”, disse Cecilia.

Por causa disso, eles não tiveram nenhuma dificuldade para escolher e adotar uma menina negra com cabelo afro.

“Minha mãe disse que era amor à primeira vista, quando eles me viram, eles sabiam que me queriam como filha”.

De acordo com Cecilia, seus pais nunca esconderam dela a adoção: “Ela (minha mãe) me disse de imediato que eu era adotada e que ela me amava tanto como se eu nascesse deles”.

Sobre o seu passado, tudo o que ela sabe é que a sua mãe biológica a entregou quando criança: “O advogado disse aos meus pais que minha mãe foi me ver e me dar de mamar nos primeiros nove meses”.

Embora acredite que sua mãe biológica a amava, Cecilia não queria procurá-la:

“Não quero saber sobre minha mãe biológica, não quero ficar com coração partido por causa das expectativas. Conheço algumas pessoas que estão realmente interessadas em saber quem são seus pais, porque tinham essa página em branco e queriam saber, e depois ficaram realmente desapontados”.

Hoje Cecilia mora em Dublin e estuda em uma universidade. Ela planeja visitar o Brasil no futuro, depois de concluir seus estudos: “Quero ir para o Brasil e ficar por um ano, conhecer os Estados e a cultura. Meus pais disseram que nós poderíamos ir visitar o fórum e os lugares que nós visitamos lá quando me adotaram”.

Desde 2010, a Irlanda permite este tipo de adoção apenas aos países que também ratificaram a Convenção da Haia, um acordo internacional para proteger as crianças e as suas famílias contra o risco de adoção ilegal.

De acordo com a Convenção de Haia, de 2004 a 2014 mais de 300 mil crianças foram adotadas por uma família fora do seu país de origem. Muitos deles vivem agora na Europa, quase três mil deles por famílias irlandesas.

De acordo com os dados, o número de adoções foi diminuindo a cada ano. Em 2004, mais de 45.000 crianças foram adotadas e em 2014 foram menos de 14.000. A maioria das crianças é da China, África e América do Sul.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here